Resenha "Rammstein", Rammstein

Por Rogério Talarico

Como anteriormente informado, em nossas redes sociais, a MetalConcerts.net teve acesso exclusivo ao novo álbum do Rammstein, que leva o próprio nome da banda. O evento de audição aconteceu no escritório da Universal Music, em São Paulo . O álbum que será lançado dia 17 de maio no mundo todo, foi produzido por Olsen Involtini que já trabalhou anteriormente com a banda nos álbuns “Mutter” e “Reise Reise”. Riffs marcantes, linhas vocais insanas, muitas partes eletrônicas e peso na medida resumem o novo álbum dos alemães, que surpreendem a cada lançamento. Este que vos escreve contará em detalhes, canção por canção, sobre a visão de um dos álbuns mais aguardados do ano.

Na imagem acima a capa de "Rammstein"

“Deutschland” (05:26)
O primeiro single lançado abre o CD e dá “boas vindas” ao que vem a seguir. Com sintetizadores, a música começa seguida por expressivas linhas vocais. Contando um pouco da história da Alemanha, de forma crítica, a música tem várias nuances e permanece quase toda calma, apenas com teclado, sintetizadores e riffs de guitarra até um explosivo e marcante refrão.

“Radio” (04:37)
A segunda canção deste álbum também é o segundo single divulgado pela banda. Também com início eletrônico comandando pelo tecladista Christian “Flake” Lorenz e com riffs de guitarras massantes e repetitivos, a música possui uma grande referência a uma “marcha militar”, um pegajoso refrão além de solos de teclado/sintetizadores e, finaliza com os instrumentos em forma crescente assim como outra canção do grupo, a conhecida “Benzin” do álbum Rosenrot (2005).

Zeig Dich (04:16)
Talvez a mais marcante deste lançamento pela forma surpreendente como inicia, com coral estilo canto gregoriano em meio a alguns riffs de guitarras parecidos com os executados em “Zerstören”, também do álbum Rosenrot (2005). Além de possuir uma notável presença do baterista Christoph Schneider comandando a música, continua com Till Lindemann cantando boa parte da canção com palavras isoladas e um instrumental muito pesado, até finalizar da mesma forma que começou, com coral.

Ausländer (03:52)
A mais dançante do álbum. Com bastante elementos eletrônicos do início ao fim da canção, Lindemann inicia a canção quase que à capella, de forma bem marcante e insana permanece cantando, sendo o ponto alto da canção. É a música que mais tem sintetizadores e menos guitarras e peso do álbum.

Sex (03:56)
Iniciar com teclados e sintetizadores é a ‘marca de introdução’ deste álbum. Com todos os instrumentos entrando juntos, a música permanece no mesmo ritmo até que Lindemann convida quem está ouvindo para transar ao som de um refrão frenético. Com algumas risadas insanas e mais teclados, termina com Till brandando a palavra “Sex”.

Puppe (04:33)
Assim como “Spieluhr”, do álbum Mutter (2001), esta inicia-se com Till cantando de forma calma. De forma crescente tanto voz e instrumental levam o ouvinte a uma ambientação mais sombria, densa, agressiva, sendo para mim o ponto alto do CD. Com um soturno refrão e linhas de baixo extremamente audíveis, termina ao som de um calmo teclado.

Was Ich Liebe (04:30)
Com uma pesada bateria, sintetizadores eletrônicos e linhas vocais tênues a música provavelmente é a mais cadenciada do álbum e se mantem de uma unica forma por quase toda canção. Possui algumas repetições da primeira estrofe da música e uma pequena paralisada no som dos instrumentos antes de findar ao som de uma gaita.

Diamant (02:33)
Ao som de acordes de violão, Till recita os versos da canção com um tom sombrio e triste. Certamente a mais calma e pode ser considerada a “balada” do CD, além de ser a mais curta.

Weit Weg (04:19)
Após a calmaria da canção anterior, “Welt Weg” retoma o clima do álbum. Ritmada, possui linhas vocais compassadas, assim como o instrumental que se mantem constante, sem muitas viradas durante a música. Termina de forma semelhante a outro hit do grupo: a conhecida “Mein Herz Brennt” (Mutter, 2001).

Tattoo  (04:10)
Com riffs marcantes de guitarra e bateria, retoma o êxtase do início do álbum. Linhas vocais expressivas e com um caótico, pesado e conturbado refrão, possui uma ótima sequência de baixo executado por Oliver Riedel. O ápice da canção acontece no final, com as fortes linhas vocais de Till.

Hallomann (04:09)
Inicia com o baixo de Oliver e Till cantando calmamente. Christoph, então, com sua bateria dita um novo ritmo para ela, mudando totalmente sua cadência e direção da canção, transformando-a praticamente e outra. A música possui um refrão épico e finaliza de forma única com teclados de Flake e com um coral solfejando um trecho da canção.

“Rammstein” é mais uma obra prima executada por essa banda que já possui 25 anos de história e mais de 20 milhões de discos vendidos no mundo, digna de uma espera de 10 anos sem lançar um álbum de estúdio. Bem trabalhado, “Rammstein” não inovou e manteve a essência dos alemães e certamente agradará todos os fãs que não veem a hora da próxima sexta-feira chegar.

Agradecimentos à Jennifer Mello da Universal Music Brasil pelo convite e atenção.

Como anteriormente informado, em nossas redes sociais, a MetalConcerts.net teve acesso exclusivo ao novo álbum do Rammstein, que leva o próprio nome da banda. O evento de audição aconteceu no escritório da Universal Music, em São Paulo, anunciando o lançamento mundial no dia 17 de maio de 2019. O álbum “Rammstein” contou com a produção de Olsen Involtini, que trabalhou anteriormente com a banda nos álbuns “Mutter” e “Reise Reise”. Riffs marcantes, linhas vocais insanas, muitas partes eletrônicas e peso na medida resumem o novo álbum dos alemães, que surpreendem a cada lançamento. Este que vos escreve contará em detalhes, canção por canção, sobre a visão de um dos álbuns mais aguardados do ano.

“Deutschland” (05:26)

O primeiro single lançado abre o CD e dá “boas vindas” ao que vem a seguir. Com sintetizadores, a música começa seguida por expressivas linhas vocais. Contando um pouco da história da Alemanha, de forma crítica, a música tem várias nuances e permanece quase toda calma, apenas com teclado, sintetizadores e riffs de guitarra até um explosivo e marcante refrão.

“Radio” (04:37)

A segunda canção deste álbum também é o segundo single divulgado pela banda. Também com início bem eletrônico comandando pelo tecladista Christian “Flake” Lorenz e com riffs de guitarras repetitivos, a música possui uma grande referência a uma “marcha militar”, um pegajoso refrão além de solos de teclado/sintetizadores e, finaliza com os instrumentos em forma crescente assim como outra canção do grupo, a conhecida “Benzin” do álbum Rosenrot (2005). 

Zeig Dich (04:16)

Talvez a mais marcante deste lançamento pela forma surpreendente como inicia, com coral  estilo canto gregoriano em meio a alguns riffs de guitarras parecidos com os executados em “Zerstören”, também do álbum Rosenrot (2005). Além de possuir uma notável presença do baterista Christoph Schneider comandando a música, que continua com Till Lindemann cantando boa parte da canção com palavras isoladas e um instrumental muito pesado, até finalizar com mais corais.

Ausländer (03:52)

A mais dançante do álbum. Com bastante elementos eletrônicos, Lindemann inicia a canção quase que à capella e de forma bem marcante e insana permanece cantando, sendo o ponto alto da canção. É a música que menos tem guitarras e peso do álbum. 

Sex (03:56)

Iniciar com teclados e sintetizadores é a ‘marca de introdução’ deste álbum. Com todos os instrumentos entrando juntos, a música permanece no mesmo ritmo até que Lindemann convida quem está ouvindo para transar ao som de um refrão frenético. Com algumas risadas insanas e mais teclados, termina com Till brandando a palavra “Sex”.

Puppe (04:33)

Assim como “Spieluhr”, do álbumMutter (2001), esta inicia-se com Till cantando de forma calma. De forma crescente se torna densa, pesada, sombria e agressiva, sendo para mim o ponto alto do CD. Com um soturno refrão e o baixo extremamente timbrado, termina com teclados .

Was Ich Liebe (04:30)

Com baterias, sintetizadores e linhas vocais tênues a música começa uma cadência mais marcante do álbum . Possui algumas repetições da primeira parte e uma pequena pausa antes de acabar ao som de uma gaita. 

Diamant (02:33)

Ao som de acordes de violão, Till recita os versos da canção com um tom sombrio e triste. Certamente a mais calma e pode ser considerada a “balada” do CD, além de ser a mais curta.

Weit Weg (04:19)

Após a calmaria da canção anterior, “Welt Weg” retoma o clima do álbum. Ritmadas, as linhas vocais, assim como o instrumental, são constantes durante a música.  Termina de forma semelhante a outro hit do grupo: a conhecida “Mein Herz Brennt” (Mutter, 2001).

Tattoo  (04:10)

Com riffs marcantes de guitarra e bateria, retoma o êxtase do início do álbum. Linhas vocais expressivas e com um caótico e conturbado refrão, possui uma ótima sequência de baixo executado por Oliver Riedel. O ápice da canção acontece no final, com as fortes linhas vocais de Till.

Hallomann (04:09)

Inicia com o baixo de Oliver e Till cantando calmamente. Christoph, então, com sua bateria dita um novo ritmo para ela, mudando totalmente sua cadência. A música possui um refrão épico e finaliza de forma única com teclados de Flake e corais solfejando um trecho da canção.

“Rammstein” é mais uma obra prima executada por essa banda que possui 25 anos de história e mais de 20 milhões de discos vendidos no mundo. É um lançamento digno de uma espera de 10 anos sem lançar um álbum de estúdio. Bem trabalhado, “Rammstein” não inovou e manteve a essência dos alemães e certamente agradará todos os fãs que não veem a hora da próxima sexta-feira chegar.


 [BAM1]Não entendi muito o que vc quis descrever aqui.

 [BAM2]Não seria coral?

 [BAM3]Eu fiquei intrigada que vc acha que é a mais dançante, e falou que o cara canta à capella. Não teria mais nada pra falar da música?

 [BAM4]Poderia colocar um adjetivo aí..pra dar o feeling do som do teclado

 [BAM5]Só foi uma ideia...pra mudar a forma de introdução e a palavra inicia

 [BAM6]Achei que ficou um pouco vago

 

 [BAM7]Foi o que eu entendi do que vc tinha escrito...fiquei um pouco confusa..
e me deixa um pouco confusa iss de vc se referir a ritmo...não tem como ter ideia nenhuma do tipo de ritmo...sei que é complicado! rs


Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter