The Sirens – Clash Club, São Paulo – 07/02/2015

Resenha Por Isabel Ferreira
Fotos gentilmente cedidas por Edi Fortini 

Foi um final de semana agitado para os fãs de Rock n’Roll com diversas opções de shows internacionais sendo oferecidos em São Paulo. Aos apreciadores de heavy metal e belos vocais femininos, o show do projeto The Sirens foi uma ótima pedida.

Criado por Anneke Van Giersbergen (ex-The Gathering) em 2013 após idealizar um dueto (não concretizado) com Kari Rueslatten (The 3rd and the Mortal) e um encontro com Liv Kristine (Leave’s Eyes, ex-Theatre of Tragedy) quando suas bandas dividiram o palco do Masters of Rock, na República Tcheca. O resultado foi a junção competente de três das mais belas vozes do estilo em músicas aprazíveis. Em performance, The Sirens traz uma releitura dos maiores sucessos de suas respectivas integrantes e músicas compostas especialmente para o projeto.

Mesmo antes do show, o Clash Club já estava imerso no ambiente proposto pela apresentação, com o encantador logotipo sendo exibido em cada uma das três telas do local. Pouco depois das 20h o show se inicia para uma plateia modesta mas efusiva, vibrando enquanto a banda de apoio sobe ao palco ao som de uma Introdução, vozes de crianças cantando e nuances marítimas remetendo a mitologia envolvida no nome “Sirens”.

The Sirens abrem o show com todas as integrantes cantando “Treat me Like a Lady” da idealizadora do projeto, Anneke. Em seguida, Kari deixa o palco para Anneke e Liv dividirem os vocais de “Vervain” (Liv Kristine).

No intervalo entre a segunda e terceira músicas houve um problema técnico no palco, enquanto o defeito era reparado, Anneke interage com a plateia, esbanjando a doçura e simpatia já característicos da cantora. Problemas resolvidos, é a vez de um dos hits da The Gathering, “Saturnine” é ovacionada pelos fãs.

O show segue com idas e vindas ensaiadas das integrantes, vezes apresentando-se solo, vezes cantando juntas, trazendo novas interpretações de músicas já conhecidas pelo público.

Destaque para a excelência mantida por Kari Rueslatten, ostentando uma voz que beira a perfeição, especialmente nas canções de seu projeto solo e da The 3rd and the Mortal como “Exile”, “Why so lonely?” e “Death Hymn”.

Como era esperado, os fãs vibraram quando Liv Kristine entoou músicas da Theatre of Tragedy, “Venus”, “Image” e “Siren”, comprovando o carinho remanescente do público por uma das bandas pioneiras desta vertente do heavy metal.

Um dos pontos altos do show foi Kari expressando sua alegria em ter uma conterrânea no The Sirens, assim, ela e Liv cantaram “Atupoéma”, canção da banda The 3rd and the Mortal composta integralmente em norueguês marcando um dos duetos mais belos da apresentação.

As três cantoras sobem ao palco anunciando “Fearless”, música recém-lançada e apresentada ao vivo exclusivamente na turnê sul-americana.

O show se encaminhava para o final com a agitada “Strange Machines” (The Gathering), e encerrando com “Sisters of Earth”.

O show do The Sirens foi marcado pela reação emocionada dos fãs aos hits de suas integrantes e, principalmente, pelo performance coesa e consistente de Anneke, Liv e Kari, mostrando-se entrosadas ao longo da apresentação planejada com esmero. Uma bela noite, em todos os aspectos.

Set List:
Treat Me Like a Lady
Vervain
Saturnine
Exile
Venus
Silence
Mental Jungle
Image
1000 Miles Away From You
Why So Lonely?
Death Hymn
Love Decay
In Motion #1
Embracing the Seasons
Atupoéma
Ride
Trollferd
Siren
Fearless
Strange Machines
Sisters of the Earth

Agradecimentos ao Durr Campos e a Dark Dimensions pela atenção e credenciamento.

 

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter